Mangás de terror

maruo suehiro art

Depois de um bom tempo sem postar nada aqui no Kotae retorno as atividades com uma cópia de um artigo interessante que encontrei. Publicado na boa revista japonesa Nipponia, na edição traduzida para português (comumente encontrado em centros culturais japoneses), o texto do falecido crítico de mangás Yonezawa Yoshihiro.

Apesar de bons títulos terem sido publicados no Brasil (Uzumaki, Ero-guro, Battle Royale, etc) o gênero terror talvez não seja tão explorado como deveria. Reproduzo aqui a então matéria da revista sobre o tema mangás de terror/horror.

“As assustadoras mas muito lidas mangá de histórias de terror”

Artigo de Yonezawa Yoshihiro (Revista Nipponia nº 14 – Setembro de 2000)

O medo é um instinto natural do ser humano. As histórias em quadrinhos podem ser usadas para expressar e despertar pavor, e as publicações de mangá de terror têm exercido por muito tempo um fascínio especial nos japoneses, particularmente entre jovens e mulheres.

Muitos mangá de terror são obras de artistas que já asseguram seu próprio renome. É claro que qualquer autor de mangá de terror precisa ser dotado de habilidade especial para instilar medo, mas ser famoso também é importante neste gênero em que a narrativa é bastante curta e o desenvolvimento dos personagens e o título não são muito importantes.

Dois grandes mestres do gênero são Umezu Kazuo e Mizuki Shigeru. Os trabalhos de Umezu variam desde histórias de terror com fundo psicológico até enredos de ficção científica. Sua gama de expressão pode ser vista em Hebi Shoujo (A menina-serpente) e Beni-gumo (Aranha Escarlate), que deixam o leitor com nervos à flor da pele ao acompanhar a trama de meninas subjugadas pelo medo. As imagens que Mizuki elabora para suas histórias de fantasmas e enredos sobrenaturais oferecem a sensação fantasmagórica própria de dias passados.

Três outros excelentes autores de mangás de terror são: Tsunoda Jiro, que mergulha em uma análise psíquica com o seu Ushiro no Hyakutaro; Hino Hideshi, que relata com detalhes grotescos fantasias de “retorno ao útero”; e Koga Shinichi, que lida com magia negra em Eko-eko Azaraku. Tezuka Osamu e Fujiko Fujio também são especialistas no gênero do terror. EM realidade, há mais autores de terror do que seria possível mencionar;  alguns medíocres, outros de nível até mesmo inferior.

O gênero desfrutou de sucesso sem precedentes no Japão em meados da década de 90, quando se lançavam publicações de terror uma após a outra. Uma autora que aproveitou essa onda foi Inuki Kanako, conhecida como “rainha do terror”. As histórias dela inspiram-se em contos populares, histórias infantis, lendas urbanas e tramas similares, revolvendo em torno do mundo das crianças. Muitos leitores dizem que primeiro ficam fascinados com as histórias dela, depois encantados e por fim aterrorizados.

Dois trabalhos característics de Inuki são Bukita-kun, a história de um solitário garoto zumbi que vagueia pelo mundo em busca de amor, e School Zone, um conto que nos entretém para depois nos inocular o germe do pavor, à medida que observamos crianças de uma escola comum envolvidas em situações aterrorizantes. As ilustrações da autora são dotadas de um toque singular, realmente inesquecível para quem abre uma de suas publicações.

Ito Junji causou sensação com o seu Uzumaki (Vórtice/Espiral), que narra o modo pelo qual uma cidade e seus moradores são transformados por uma maldição.  As excêntricas histórias de terror de Ito geralmente aparecem em revistas especializadas do gênero. O autor também tem uma série intitulada Tomie, que narra a grotesca história de uma menina bela e misteriosa capaz de despertar nos homens o desejo de matar e que renasce continuamente de seu próprio sangue e pedaços de carne. A veneração à série assume uma proporção quase religiosa. As cenas imaginativas têm uma característica surrealista, e a história apresenta acontecimentos bizarros que nos deixam atordoados de apreensão.

Outros autores também têm ganho popularidade – por exemplo, Ima Ichiko, que escreveu uma moderna história de fantasmas intitulada Hyakki Yakou Shou. Outro autor, Mochizuki Minetaro, descreve o terror de habitar uma cidade. Zashiki Onna, de sua autoria, é  a história de terror moderna habilmente construída, que conduz o gênero a novas alturas. Os leitores podem se identificar nesta história ao ler sobre pessoas que escapam do Armagedon ao fim de uma era decadente e depois conhecem novos terrores, quando se estabelecem em um estilo de vida convencional na cidade.

2 Comentários

Arquivado em Artigo

2 Respostas para “Mangás de terror

  1. Rafaela

    o mangá que mais me deu medo foi o concrete :( acho que só tem 1 volume, não lembro quão grande era. só sei que é baseado numa história real e a galera ficou super revoltada pq foi considerado um hentai

  2. Marcia

    Oi, só pra dizer que a imagem que vc postou é de Suehiro Maruo, que sequer é citado no texto…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s